Filmes

Resenha: Correndo Atrás de um Pai

Filme é uma verdadeira salada mista de gêneros

De todos os gêneros, a comédia é um dos meus favoritos e sempre está entre minhas opções. Filmes assim me fazem me divertir e relaxar, garantindo aquele momento descontraído e recompensador. Infelizmente este não é o caso com Correndo Atrás de um Pai (Father Figures) e eu vou explicar os motivos. Dirigido por Lawrence Sher, o filme conta a história dos irmãos gêmeos Peter (Ed Helms) e Kyle (Owen Wilson) que, durante o novo casamento de sua mãe (Glenn Close), descobrem que a matriarca sempre mentiu a respeito do pai biológico dos dois. Mesmo com suas diferenças extremas, os irmãos embarcam em uma viagem pelos Estados Unidos para que possam encontrar o pai com a qual nunca tiveram contato. Nessa busca, os dois provocam várias reviravoltas em suas vidas, estreitando o laço entre eles e causando confusões enquanto abordam estranhos que se relacionaram com sua mãe no passado.

O grande problema de Correndo Atrás de um Pai é que o filme apresenta um roteiro muito desregular. O longa consegue abordar vários gêneros ao mesmo tempo. Você não sabe se está assistindo apenas uma comédia, comédia familiar, comédia escrachada, drama ou, até mesmo, uma novela mexicana com tantas reviravoltas que a história dá. Por não entregar um desenvolvimento mais específico, a trama fica entrecortada, tentando gerar uma alegria forçada ao público, misturado a momentos emocionantes inesperados no filme.

Resenha: Me Chame Pelo Seu Nome 

Mesmo sendo meio clichê, é interessante ver a química de Owen Wilson e Ed Helms na tela. De um lado, você acompanha o esforço de Peter em se firmar na profissão de proctologista (tal escolha da carreira se deve ao suposto pai), enquanto ele lida com um doloroso divórcio e o distanciamento do filho. Já Kyle mostra que é um cara de sorte. Feliz ao lado da esposa e morando no Havaí, o rapaz deu a volta por cima após se tornar o garoto propaganda de um molho para churrasco. Com personalidades distintas, o desenvolvimento da road trip tinha tudo para dar certo, uma vez que teria como objetivo mostrar a autodescoberta de ambos, a resolução dos problemas internos de cada um e dos problemas entre eles. Isso até acontece, mas como o filme não se decide para qual caminho seguir, a história fica picotada e perdida, sem saber exatamente o rumo que vai tomar, tornando o roteiro um verdadeiro zigue-zague.

Se no primeiro ato conhecemos os personagens e damos início à jornada pela estrada americana, o segundo cria uma atmosfera previsível e tediosa. Assim que começamos a acompanhar a aventura dos dois com cada suposto pai, os acontecimentos não são tão empolgantes e chega um momento que o espectador começa a compreender que a mesma coisa vai acontecer com os próximos personagens que aparecerem. Acredite, o filme se esforça bastante para ser excepcional, uma vez que traz um elenco de peso, como J.K Simmons, Terry Bradshaw, Christopher Walken, Ving Rhames e outros, mas tal esforço é em vão devido à falta de planejamento e organização no roteiro.

Resenha: Sobrenatural: A Última Chave 

Em vários momentos é até possível rir de uma situação ou outra, principalmente quando o filme tenta ser aquela comédia escrachada ao brincar com o fato da mãe ter aproveitado a liberdade durante a juventude; mostrar uma carona um tanto quanto inesperada e perigosa, um suposto encontro entre irmão e irmã que quase gera uma situação bem desconcertante. Não vou citar mais exemplos, para não estragar a surpresa para aqueles que forem assistir. Mas com tantas tentativas de divertir o público, a comédia em si foge da sua espontaneidade, fazendo o espectador rir por apenas rir.

Quando o filme já nos mostrou as variantes da comédia, a história repentinamente se revela dramática, após dar uma grande reviravolta que até contradiz com o objetivo da história. O público se vê sério diante da revelação feita, o que pode gerar comoção em alguns e raiva em outros, por entregar um final inesperado.

Considerações finais

Correndo Atrás de um Pai tem um elenco bom e uma premissa interessante, cujo desenvolvimento perde a linha completamente, entregando ao espectador uma salada mista de gêneros. Mesmo com protagonistas bons de química, o roteiro é irregular, fazendo a comédia perder o seu encanto justamente por não saber para qual caminho seguir: uma comédia mais leve e familiar ou divertida e escrachada?  Poderia ter dado certo? Sim, mas não foi dessa vez.

Ficha Técnica

Correndo Atrás de um Pai

Direção: Lawrence Sher

Elenco: Ed Helms, Owen Wilson, Glenn Close, J.K Simmons, Terry Bradshaw, Christopher Walken, Ving Rhames, Retta, Harry Shearer, Katie Aselton, Bill Irwin, Kate Williams, Brian Huskey, Rachel Eggleston, Ryan Gaul e June Squibb.

Duração: 1h53min

Nota: 4,5