Filmes

Resenha: Malasartes e o Duelo com a Morte

Trama fantasiosa tem bons efeitos especiais e ótimo elenco

Entre prós e contras, Malasartes e o Duelo com a Morte é mais um passo positivo do cinema brasileiro. Dirigido por Paulo Morelli, a trama gira em torno de Pedro Malasartes (Jesuíta Barbosa), um malandro que, coincidentemente, é apadrinhado pela Morte (Júlio Andrade), um ceifador que já traçou outro caminho para o afilhado. Com a ajuda de seu assistente Esculápio (Leandro Hassum), a Morte deseja trocar de lugar com o jovem rapaz e se livrar do fardo de dar o fim às vidas. Aliás, tal fardo é consequência do roubo do poder das Três Parcas do destino (Cortadeira, Tecedeira e Fiandeira), responsáveis por criar e a dar o ponto final a linha da vida. Paralelamente ao submundo, acompanhamos a vida de Malasartes entre os vivos, em que o rapaz é apaixonado por Áurea (Ísis Valverde), mas tem pânico da palavra ‘compromisso’. Áurea é irmã de Próspero (Milhem Cortaz) que deseja loucamente colocar as mãos em Malasartes e cobrar o tanto de dinheiro que lhe deve.  

A trama faz uma adaptação da figura Pedro Malasartes, personagem tradicional da cultura portuguesa e brasileira. É um exemplo de “burlão invencível, astuto, cínico, inesgotável de expedientes e enganos, sem escrúpulos e remorsos”. Assim que comecei a ver o filme, percebi que o estilo lembra o sucesso O Auto da Compadecida, em que o protagonista João Grilo é um rapaz bom, mas esperto e malandro o suficiente para enganar quem estiver ao seu redor, além de correr atrás do prejuízo e ainda descolar uma grana.

Malasartes e o Duelo com a Morte apresenta nitidamente os prós e contras em seu desenvolvimento. O longa se inicia com uma bela introdução animada e narrada por Lima Duarte, dando forma à premissa e contextualizando a trama. É interessante acompanhar a construção da história que ganha trejeitos por meio dos efeitos especiais. O primeiro ato explica a razão de a Morte ter roubado o poder das Três Parcas, o crescente tédio do trabalho exercido há 2000 anos e o funcionamento deste submundo. É aqui que entra o papel dos efeitos especiais, pois tal técnica constrói um mundo fantasioso, surreal e bonito em seu aspecto assombroso. O ambiente obscuro ganha uma iluminação com as milhares de velas que representam as respectivas vidas na Terra. As cordas tecidas pelas Parcas têm, por regra, representar o percurso de cada ser vivo. Pode se dizer que esse elemento representa o significado da frase “a vida por um fio”. Não vou me estender mais para não dar spoilers.

Já assistiu Os Meninos Que Enganavam Nazistas?

Pode ser que alguns não curtam tanto os efeitos, mas para mim, a técnica agrada e é um passo a frente dentro do cinema brasileiro. Além disso, tais efeitos colaboram na jornada de Malasartes e o ajudam a explorar o mundo dos mortos. Se o primeiro ato é redondo, bem estruturado e contextualizado, o segundo ato faz o filme declinar, tornando-se repetitivo em suas ações. As mortes que ocorrem ao longo da história são previsíveis e não surpreende tanto. Falta algum “elemento surpresa” nessa parte para chamar a atenção de quem está assistindo.

Outro arco que se torna maçante é a perseguição de Próspero. Ele tenta a todo custo colocar as mãos em Malasartes, mas o malandro sempre escapa, seja com a ajuda dos amigos, da Morte ou, até mesmo, com alguma eventualidade causada pelo próprio arqui-inimigo.

Sessão Pipoca: Diário de um Banana: Caindo na Estrada

Gostei muito da escolha do ator Jesuíta Barbosa para o papel principal. No entanto, o filme poderia ter ousado um pouco mais no seu cinismo, já que as circunstâncias o ajudam mais do que a própria malandragem. Aliás, outro pró desse filme é o elenco de primeira, com destaque não só para Barbosa, mas também para Júlio Andrade e Milhem Cortaz. Apesar de alguns probleminhas já citados, os personagens são bons e o público aprecia em acompanhá-los nessa aventura sertaneja e fantasiosa.

Os que ficam um pouco a desejar são os personagens Esculápio – que se torna um “bobo da corte” tentando tomar o lugar da Morte – e a Cortadeira. A personagem pode ser vista como uma espécie de “vilã”, mas, neste caso, teria funcionado melhor se ela estivesse na posição de “justiceira”.

Considerações finais

Por mais previsível e não tão surpreendente, a cena final é satisfatória. Malasartes e o Duelo com a Morte traça um bom caminho no cinema brasileiro, com uma história fantasiosa, um ótimo elenco e efeitos especiais que não são perfeitos, mas são promissores. Fico feliz de ver que o cinema brasileiro está arriscando mais em outros tipos de gêneros (sem ser só comédia) para trazer conteúdos bons, originais e inusitados ao seu público.

E aí, o que acharam do filme? Deixem nos comentários!

Ficha Técnica

Malasartes e o Duelo com a Morte

Direção: Paulo Morelli

Elenco: Jesuíta Barbosa, Júlio Andrade, Ísis Valverde, Augusto Madeira, Milhem Cortaz, Leandro Hassum, Vera Holtz, Luciana Paes e Julia Ianina.

Duração: 1h50min

Nota: 7,0