Cinema

Andy Serkis vem ao Brasil para promover Planeta dos Macacos: A Guerra; veja como foi

Ator fala sobre o filme, a tecnologia motion picture e seus próximos trabalhos

Nesta terça-feira (01), a convite da Fox Film do Brasil, o Pipoca na Madrugada participou da cabine e coletiva de Planeta dos Macacos: A Guerra, que aconteceu na no Cinemark do Shopping Eldorado, em São Paulo. A sala XD ganhou uma decoração lindíssima da selva para o público entrar no clima. Além disso, a imprensa contou com a presença ilustre do ator Andy Serkis, que veio para São Paulo para promover o filme e bater um papo com os jornalistas e influenciadores.

Simpático, empolgado e bastante comunicativo, o intérprete do macaco César deu mais detalhes a respeito de Planeta dos Macacos: A Guerra, dizendo que a trama, acima de tudo, é sobre empatia. “Estamos em um mundo onde as pessoas perderam a habilidade de se colocar no lugar do outro. E isso é o grande entretenimento. Essa é a beleza e é um privilégio poder fazer parte disso. Contar histórias é uma das formas de nos salvar”. Serkis afirma que na trama não há vilões e heróis. “O mundo está sofrendo com lideranças simples demais. Isso é uma boa metáfora com os macacos. No filme, não há vilões ou heróis. César é um bom líder, mas ele tem suas falhas. Ele sente ódio e raiva com o que aconteceu, mas ainda assim é capaz de olhar nos olhos de quem tenta matar encontrar a empatia no outro”. Ele ainda ressalta: “A nova trilogia Planeta dos Macacos não tem nada de previsível quando comparados aos antigos filmes”.

Ao falar de Matt Reeves, Serkis rasgou elogios ao diretor. “Matt Reeves é um dos diretores mais brilhantes e engraçados com quem trabalhei. No trabalho, ele é simplesmente prático: ele não inicia as gravações enquanto ele não checar se os ensaios foram feitos ou se as câmeras estão em suas devidas posições”.

O ator também não evitou as palavras ao explicar a evolução do seu personagem ao longo da trilogia. “César nasceu com o dom de uma ‘criança inteligente capaz de resolver uma equação’. No segundo filme, ele cresce e é capaz de liderar uma sociedade, enquanto que no terceiro filme vemos um lado mais vulnerável do personagem, em que ele expõe os seus sentimentos, desde a tragédia que acontece com ele até o confronto com o coronel”.  Além da evolução de César, Serkis também explicou a construção da voz do personagem, nos dando uma palhinha da entonação da voz e a construção das palavras durante as filmagens. É sensacional! Esse trecho pode ser visto lá no instagram do blog (@pipocanamadrugada).

Um dos melhores momentos da coletiva é quando Serkis é questionado sobre a forma como as premiações lidam com os personagens criados a partir da captura de movimentos. “É um grande preconceito e ignorância da parte das premiações não reconhecer o trabalho de um ator com motion picture. Os membros veteranos da Academia se recusam a aceitar esse tipo de performance. Se eu tivesse com uma roupa de macaco e uma maquiagem, eles diriam ‘uau, que performance!’. Mas como é em motion, eles ficam receosos”, disse o ator fazendo até um grunhido de ‘recusa’.

Depois de falar bastante sobre o filme, Andy Serkis ainda nos deu uma prévia sobre suas próximas produções que serão por trás das câmeras. O ator irá dirigir a nova live-action Mogli: O Menino Logo (The Jungle Book), só que a versão original e não a que conhecemos da Disney que, por sinal já ganhou sua versão em carne e osso no ano passado. “Essa versão será bem diferente dos que vocês já viram. Se vocês acham difícil colocar um rosto em um macaco, imagina colocar um rosto em uma cobra?”.

Planeta dos Macacos: A Guerra estreia nesta quinta-feira (03 de agosto) nos cinemas, fechando a trilogia de sucesso Planeta dos Macacos.

Olha aí a galera da imprensa marcando presença na coletiva que foi sensacional! Da esquerda pra direita: Arroba Nerd, Pop Creature, Nerd Break, Pipoca na Madrugada, Cinematecando e Victoria X. 

Imagens: Mauricio Santana/Agência Febre